sábado, 8 de setembro de 2012

Adeus


Sempre pensei que ia voltar aos blogues, mas afinal não o fiz e, francamente, não tenho vontade de o fazer. Por isso despeço-me. Adeus e obrigada aos que me leram.

sábado, 18 de agosto de 2012

Porque música é poesia (6)


LETRA:

Woke up in London yesterday
Found myself in the city near Piccadilly
Don't really know how I got here
I got some pictures on my phone

New names and numbers that I don't know
Address to places like Abbey Road
Day turns to night, night turns to whatever we want
We're young enough to say

Oh this has gotta be the good life
This has gotta be the good life
This could really be a good life, good life

Say oh, got this feeling that you can't fight
Like this city is on fire tonight
This could really be a good life
A good, good life

To my friends in New York, I say hello
My friends in L.A. they don't know
Where I've been for the past few years or so
Paris to China to Col-or-ado

Sometimes there's airplanes I can' t jump out
Sometimes there's bullshit that don't work now
We are god of stories but please tell me-e-e-e
What there is to complain about

When you're happy like a fool
Let it take you over
When everything is out
You gotta take it in

Oh this has gotta be the good life
This has gotta be the good life
This could really be a good life, good life

Say oh, got this feeling that you can't fight
Like this city is on fire tonight
This could really be a good life
A good, good life

Hopelessly
I feel like there might be something that I'll miss
Hopelessly
I feel like the window closes oh so quick
Hopelessly
I'm taking a mental picture of you now
'Cos hopelessly
The hope is we have so much to feel good about.

Oh this has gotta be the good life
This has gotta be the good life
This could really be a good life, good life

Say oh, got this feeling that you can't fight
Like this city is on fire tonight
This could really be a good life
A good, good life
A good, good life

To my friends in New York, I say hello
My friends in L.A. they don't know
Where I've been for the past few years or so
Paris to China to Col-or-ado

Sometimes there's airplanes I can' t jump out
Sometimes there's bullshit that don't work now
We are god of stories but please tell me-e-e-e
What there is to complain about

sábado, 21 de julho de 2012

Porque música é poesia (5)

Beth Nielsen Chapman compôs "Sand and Water" após a morte do marido, em 1994. Ouvi-a pela primeira vez num episódio da série E.R. e nunca me esqueci dela. A tristeza da cantora é visível em cada palavra.


LETRA:

All alone I didn't like the feeling
All alone I sat and cried
All alone I had to find some meaning
In the center of the pain I felt inside

All alone I came into this world
All alone I will someday die
Solid stone is just sand and water, baby
Sand and water, and a million years gone by

I will see you in the light of a thousand suns
I will hear you in the sound of the waves
I will know you when I come, as we all will come
Through the doors beyond the grave

All alone I heal this heart of sorrow
All alone I raise this child
Flesh and bone, he's just
Bursting towards tomorrow
And his laughter fills my world and wears your smile

I will see you in the light of a thousand suns
I will hear you in the sound of the waves
I will know you when I come, as we all will come
Through the doors beyond the grave

All alone I came into this world
All alone I will someday die
Solid stone is just sand and water, baby
Sand and water and a million years gone by 

sábado, 30 de junho de 2012

Porque música é poesia (4)

Existem várias versões desta música, mas esta é a que mais me agrada.


LETRA:

Stars shining bright above you
Night breezes seem to whisper
I love you
Birds singing in the sycamore tree
Dream a little dream of me

Say nighty night and kiss me
Just hold me tight and tell me
you miss me
While I'm alone and blue as can be
Dream a little dream of me

Star's fading but I linger on dear
Still craving your kiss
I'm longing to linger till dawn dear
Just saying this
Sweet dreams till some sunbeams find you
Sweet dreams that leave all worries behind you
But in your dreams whatever they be
Dream a little dream of me

Star's fading but I linger on dear
still craving your kiss
I'm longing to linger till dawn dear
Just saying this
Sweet dreams till some sunbeams find you
Sweet dreams that leave all worries far behind you
But in your dreams whatever they be
Dream a little dream of me

sábado, 23 de junho de 2012

Porque música é poesia (3)

Sendo hoje véspera de S. João, deixo-vos aqui com uma música dedicada à cidade do Porto. Trata-se de um clássico da música portuguesa e uma das mais belas músicas da na nossa língua. Bom S. João para todos!


LETRA:

Quem vem e atravessa o rio
Junto à Serra do Pilar
Vê um velho casario
Que se estende até ao mar

Quem te vê ao vir da ponte
És cascata sanjoanina
Erigida sobre um monte
No meio da neblina

Por ruelas e calçadas
Da ribeira até à foz
Por pedras sujas e gastas
E lampiões tristes e sós

Esse teu ar grave e sério
Num rosto de cantaria
Que nos oculta o mistério
Dessa luz bela e sombria

Ver-te assim abandonado
Nesse timbre pardacento
Nesse teu jeito fechado
De quem moi um sentimento

E é sempre a primeira vez
Em cada regresso a casa
Rever-te nessa altivez
De milhafre ferido na asa

sábado, 16 de junho de 2012

Porque música é poesia (2)

Não há musica que expresse o ponto de vista do cidadão português comum melhor do que esta. Este é, de facto, o ponto de vista mais importante de todos, mas, infelizmente, aquele a que é dado menos importância. E o vídeo é bem giro!


LETRA:

Tantos anos a estudar para acabar desempregado
Ou num emprego da treta, mal pago
E receber uma gorjeta que chamam salário
Não tirei o Curso Superior de Otário
Não é por falta de empenho
Querem que aperte o cinto mas nem calças tenho
Ainda o mês vai a meio já eu 'tou aflito
Oh mãe fazias-me era rico em vez de bonito

É sexta-feira
Suei a semana inteira
No bolso não trago um tostão
Alguém me arranje emprego
Bom bom bom bom
Já já já já

Eles enterram o País o povo aguenta
Mas qualquer dia a bolha rebenta
De boca em boca nas redes sociais
Ouvem-se verdades que não vêm nos jornais
Ter carro é impossível
Tive que o vender para ter combustível
Tenho o passe da Carris mas hoje estão em greve
Preciso de boleia, alguém que me leve

É sexta-feira
Suei a semana inteira
No bolso não trago um tostão
Alguém me arranje emprego
Bom bom bom bom
Já já já já

É sexta-feira
Quero ir para a brincadeira
mas eu não tenho um tostão
Alguém me arranje emprego
Bom bom bom bom
Já já já já

Basta ser honesto e eu aceito propostas
Os cotas já me querem ver pelas costas
Onde vou arranjar dinheiro para uma renda?
Não tenho condições nem pa alugar uma tenda
Os bancos só emprestam a quem não precisa
A mim nem me emprestam pa mudar de camisa
Vou jogar Euromilhões a ver se acaba o enguiço
Hoje é sexta-feira vou já tratar disso

É sexta-feira
Suei a semana inteira
No bolso não trago um tostão
Alguém me arranje emprego
Bom bom bom bom
Já já já já

É sexta-feira
Quero ir para a brincadeira
mas eu não tenho um tostão
Alguém me arranje emprego
Bom bom bom bom
Já já já já

Bom bom bom bom
Já já já já

Tem que ser bom
Já!

sábado, 9 de junho de 2012

Porque música é poesia (1)

Esta ideia teve origem no blogue Este Meu Cantinho, e eu acho uma ideia excelente. A partir de agora, todos os Sábados, vou colocar aqui um vídeo com uma música de cuja letra eu gosto. Ouvi esta música pela primeira vez na série GLEE, e gostei tanto que decidi ir ouvir a versão original (já agora, para ouvir a versão da série vão aqui; não fica nada atràs do original). Gosto dela porque a letra tem tudo a ver com uma certa fase da minha vida. Aqui vai:


LETRA:

You, with your words like knives
And swords and weapons that you use against me
You have knocked off my feet again
Got me feeling like I'm nothing
You, with your voice like nails on a chalkboard
Calling me out when I'm wounded
You, picking on the weaker man

You can take me down with just one single blow
But you don't know, what you don't know...

Someday I'll be living in a big old city
And all you're ever gonna be is mean
Someday I'll be big enough so you can't hit me
And all you'll ever gonna be is mean
Why you gotta be so mean?

You, with your switching sides
And your wildfire lies and your humiliation
You have pointed out my flaws again
As if I don't already see them
I walk with my head down
Trying to block you out 'cause I'll never impress you
I just wanna feel okay again

I bet you got pushed around
Somebody made you cold
But the cycle ends right now
'Cause you can't lead me down that road
And you don't know, what you don't know

Someday I'll be living in a big old city
And all you're ever gonna be is mean
Someday I'll be big enough so you can't hit me
And all you're ever gonna be is mean
Why you gotta be so mean?

And I can see you years from now in a bar
Talking over a football game
With the same big loud opinion
But nobody's listening
Washed up and ranting about the same old bitter things
Drunk and grumbling on about how I can't sing
But all you are is mean

All you are is mean
And a liar, and pathetic, and alone in life
And mean, and mean, and mean, and mean

But someday I'll be living in a big old city
And all you're ever gonna be is mean, yeah
Someday I'll be big enough so you can't hit me
And all you're ever gonna be is mean

Someday I'll be living in a big old city (Why you gotta be so?..)
And all you're ever gonna be is mean (Why you gotta be so?..)
Someday I'll be big enough so you can't hit me (Why you gotta be so?..)
And all you're ever gonna be is mean
Why you gotta be so mean?

quarta-feira, 11 de abril de 2012

PERFECT CHEMISTRY (Perfect Chemistry #1)

EDIÇÃO PORTUGUESA: não existe
AUTORA: Simone Elkeles
EDITORA: Walker & Company
ANO: 2009
PÁGINAS: 357

Este livro surpreendeu-me. Estava à espera da típica história de amores proibidos, um Romeu e Julieta no mundo moderno. E não deixa de ser um pouco isso. Mas consegue ser muito mais.

Os habitantes de Fairfield, uma pequena cidade nos arredores de Chicago, sabem bem que os habitantes da parte sul não se misturam com os da parte norte. Os primeiros vivem em casas pequenas, passam, por vezes, fome e vêem as suas ruas dominadas por gangues. Os segundos vivem em mansões, conduzem carros de alta gama e vestem as melhores roupas. Se cada um ficar no seu lugar, nada corre mal. Os alunos da escola secundária local sabem-no melhor do que ninguém. Por isso, quando a professora de química obriga Brittany, uma menina rica da parte norte, e Alex, um “bad boy” e conhecido membro de um gangue da parte sul, a trabalhar juntos, o resultado só poderia ser mau. E de início é. Até que começam a sentir algo um pelo outro que nunca pensaram possível. 

O que faz, então, este livro diferente de tantos outros do mesmo género? Em primeiro lugar, a estrutura narrativa: ambos os protagonistas narram esta história em capítulos alternados, o que faz com  que consigamos entrar dentro da cabeça de cada um deles. Conforme os vamos conhecendo, vamos percebendo que nenhum deles é apenas aquilo que aparenta ser. E conforme se vão conhecendo um ao outro, chegam exactamente à mesma conclusão: Brittany percebe que por trás do ar de “bad boy” há alguém inteligente, capaz de tratar os outros com respeito e dedicado a proteger a família de uma vida igual à sua; Alex percebe que por trás do ar de menina perfeita há alguém com um pai ausente, uma mãe egoísta e uma irmã deficiente que precisa de dedicação constante. 

A violência do mundo dos gangues é aqui bem retratada: a forma como destrói ruas e famílias e como tira às pessoas a possibilidade de ser o melhor que podem ser. A história de uma família é aqui contada através da sua ligação a um gangue: quando se entra, dificilmente se sai, e todos pagam por isso.

Este livro é, entre outras coisas, sobre aquilo que podemos ver nos outros se formos capazes de olhar para além da superfície. Todos usamos máscaras, sejam quais forem os motivos: ou para afastar os que nos rodeiam, ou para nos convencermos de que a nossa vida é melhor do que aquilo que realmente é, ou para proteger aqueles que amamos, ou para sentirmos que controlamos algo na nossa vida. Baixar a máscara, no entanto, pode deixar entrar alguém que trará coisas boas. E que nos fará querer ser alguém melhor.

CLASSIFICAÇÃO: 9/10

“You and I, we’re not so different. You play the game just like I do. You use your looks, your bod, and your brains to make sure you’re always in control.”

POSSIBILIDADES CINEMATOGRÁFICAS: Segundo o site da autora, os direitos para a adaptação deste livro foram cedidos a um agente cinematográfico de Hollywood. Ainda não existem planos definidos para o filme. Na minha opinião, se for bem adaptado, PERFECT CHEMISTRY poderá dar um excelente filme.

segunda-feira, 5 de março de 2012

THE HUNGER GAMES (The Hunger Games #1)

EDIÇÃO PORTUGUESA: Os Jogos da Fome (Presença)
AUTORA: Suzanne Collins
EDITORA: Scholastic
ANO: 2008
PÁGINAS: 454

A literatura (e cinema, já agora) juvenil tem tendências. Durante uns anos foca-se num determinado tema e quando esse tema se esgota passa a outro. Há uma década atrás era magia e feiticeiros, desde meados da década passada era vampiros e outras criaturas sobrenaturais. Actualmente existem duas tendências: distopias futuristas e contos-de-fada com um tom mais negro.

THE HUNGER GAMES, o primeiro livro de uma trilogia, é um exemplo do primeiro caso. Num futuro longínquo, nas cinzas daquilo que costumava ser a América do Norte, surgiu Panem, uma nação dividida em um Capitólio e doze distritos. A uma dada altura, os distritos rebelaram-se contra o Capitólio, iniciando uma guerra que acabaram por perder. Como castigo, o Capitólio criou os Jogos da Fome, uma sangrenta competição em que 24 jovens entre os doze e os dezoito anos (um rapaz e uma rapariga de cada distrito) são forçados a lutar até à morte numa arena recheada de perigos. O último sobrevivente é declarado vencedor. A narradora e personagem principal deste livro é Katniss Everdeen, uma jovem de 16 anos que se oferece para tomar o lugar da irmã mais nova quando a mesma é escolhida para representar o seu distrito.

Há algo que me costuma irritar particularmente na literatura juvenil: a heroína. Normalmente vemos raparigas que são pouco mais do que donzelas em apuros, muito delicadas, muito preciosas, irremediavelmente apaixonadas e dispostas a aturar qualquer coisa de um homem desde que ele seja atraente. O que mais me agrada neste livro é que a heroína não é mesmo nada assim: Katniss é forte, determinada, inteligente e perfeitamente capaz de sobreviver sozinha, mostrando ao mesmo tempo uma enorme sensibilidade e respeito para com os outros. Não se pode dizer que não exista aqui romance, mas está lá na dose certa e nunca faz ninguém agir como um tontinho.

Outra coisa de que gosto é todos os pormenores que nos são dados relativamente a este universo pós-apocalíptico: a História, as pessoas, a paisagem, os lugares, tudo é descrito de forma tão realista que nos leva a pensar na muito real possibilidade de o nosso mundo chegar a esse ponto. E em como um pequeno gesto pode iniciar uma revolta.

THE HUNGER GAMES é um livro cheio de acção e suspense, que nos agarra até à última página. A este segue-se CATCHING FIRE, que irei ler em breve.

CLASSIFICAÇÃO: 9/10

“No, when the time comes I’m sure I’ll kill just like everybody else. I can’t go down without a fight. Only I keep wishing I could think of a way to… to show the Capitol that they don’t own me. That I’m more than just a piece in their Games.”

POSSIBILIDADES CINEMATOGRÁFICAS: Existe um filme, que estreará no final deste mês.

sábado, 31 de dezembro de 2011